A AMAMENTAÇÃO É ASSUNTO DE TODA FAMÍLIA

Estamos sempre falando em promover, incentivar e orientar a amamentação. Já são conhecidos os benefícios do aleitamento materno, mas nunca é demais falar: as pesquisas cada vez mais comprovam que não há nenhum alimento melhor para o bebê que o leite materno. À medida em que avançamos no conhecimento científico ficamos impressionados com a riqueza do leite materno, um alimento vivo e dinâmico, que contém substâncias com atividades protetoras e imunomoduladoras. Ele proporciona proteção contra infecções e alergias, estimula o desenvolvimento do sistema imunológico, a maturação dos sistemas digestivo e neurológico, além de ajudar a desenvolver o vínculo mãe e filho. Além disso, ainda é benéfico para as mães: previne o câncer de mama e de ovário, dentre outras vantagens.
amamentação é assunto de toda a família
Desta forma, consolidamos a orientação: até os seis meses de vida, o leite materno é o único alimento necessário para o bebê, não sendo necessário oferecer água, chás ou nenhum outro tipo de complemento. O aleitamento materno deve ser mantido sempre que possível até os dois anos (ou mais), e enquanto a criança estiver em aleitamento materno, não precisa consumir nenhum outro tipo de leite.

Os obstetras e pediatras, de maneira geral, estão sempre estimulando o aleitamento materno, assim como as campanhas de incentivo ao aleitamento são voltadas, quase sempre, para a mãe, pois é comprovado que, quanto maior o conhecimento sobre os benefícios do aleitamento materno, maior o engajamento da mulher à amamentação. 

Mas esquecemos muitas vezes de abordar um assunto de extrema importância para o sucesso da amamentação: a família. Uma mulher não amamenta sozinha. A família e as pessoas mais próximas a essa mulher exercem grande influência sobre a mulher que amamenta, em especial o marido e a avó. A opinião dessas pessoas sobre o aleitamento materno, o apoio ou falta de apoio à mãe nesse momento, vão exercer grande impacto na decisão de amamentar, especialmente diante das dificuldades naturais desse processo.

O puerpério é sempre um período muito delicado para a mulher. Período de intensas mudanças físicas e emocionais, em que a mulher precisa de apoio e incentivo. Por mais que a mãe esteja motivada a amamentar, nesse momento a mulher está fragilizada e cansada. É preciso encontrar pessoas ao seu redor que também estejam esclarecidas sobre o aleitamento materno. Que sejam pacientes com a insegurança materna diante da responsabilidade e do cansaço desses primeiros dias. Que demonstrem que a mãe não está sozinha nessa jornada. Que entendam que as demandas naturais de um bebê, que precisa de muito colo e muitas mamadas não significam que o leite é fraco ou que algo errado está acontecendo.

Precisamos repetir muitas vezes que o leite materno é suficiente para o bebê e que as mães conseguem amamentar. Parece que todos já sabem sobre os benefícios do leite materno, mas a verdade é que, diante dos desafios naturais da adaptação da nova mãe e do novo bebê, a primeira saída é quase sempre desautorizar o leite materno, dizer que ‘o bebê está com fome’, ‘o leite é fraco’, ‘no meu tempo dava logo um mingau’, ‘meus filhos se criaram com mamadeira e estão todos bem’, e várias outras afirmativas que abalam a já frágil confiança das mães nesse momento.

A mãe precisa de palavras de conforto, precisa aprender como amamentar e precisa de ajuda para as eventuais dificuldades. Precisa de uma rede de apoio que dê um ambiente o mais tranquilo possível, gente em volta que ajude nas tarefas da casa, que esteja por perto para ela tomar um banho, dentre outras atividades. E às vezes precisa de apoio especializado também, da pediatra, enfermeira, banco de leite, fonoaudióloga, consultoras de amamentação. Precisa daquela voz amiga para lembrá-la que bebês dão trabalho mesmo, que a adaptação às vezes demora, mas que é só uma fase, e que em pouco tempo ela vai ter um enorme orgulho de ter superado esse momento e vai ter um bebê bem saudável e feliz.

A campanha da Unicef de incentivo o aleitamento materno desse ano é sobre a importância de convocar a família para esse apoio à mãe que amamenta (o título do artigo é o título da campanha). Há um material disponível na internet (www.unicef.org) que pode ser baixado gratuitamente com hábitos e comportamentos que podem incentivar a amamentação. Todos nós podemos ajudar.

 Amamentar é assunto de todos.